• Fotos
  • TV!
  • Links
  • Projeto Memória
  • Sobre o Jornal Pelicano
  • Processo Seletivo EFOMM 2014

  • 2327
    Cultura, Curiosidades, EFOMM, Navios » segunda-feira, 11 de março de 2013 »
    Curiosidades do mar IV: Diques secos – Oficinas Navais a olho nu


    7321663-se-suministran-en-el-dique-seco-durante-la-revision-bajo-cielo-dramatico
    Navios e embarcações em geral são projetados para não afundar, disso todos já sabem.

    Mas afinal, são estruturas MUITO grandes, e assim como qualquer outro meio de transporte estão propensos a  possíveis “problemas”.

    Uns dos mais sérios, ou melhor, mais preocupantes, são os estruturais – aqueles danos causados na estrutura física do navio  (já que podem influenciar na estabilidade e flutuabilidade)-.

    Os profissionais que trabalham embarcados são treinados e instruídos a lidar com possíveis situações de risco e manter a embarcação em condição de segurança até atracar.

    Pois bem, as docas secas, como também são conhecidos os dique secos, entram em ação!
    Dependendo da gravidade do dano, são levados para consertos/reparos.

    Os danos estruturais muitas vezes são no casco, parte mais exposta.
    Mas afinal, como podem ter acesso à parte que está coberta de água?!

    Os diques são dotados de estruturas na parte inferior, que se ajustam à quilha.
    Dali, com o navio já assentado,apoiado na quilha e laterais,  retira-se a água do grande compartimento, e uma grande barreira,como um grande portão, impede o fluxo de água.
    Ali torna-se um espaço “seco”, o que torna possível o acesso e visão da estrutura externa do navio em geral.

    Na saída da embarcação é o processo inverso: a água é bombeada, ou permite-se que escoe água para dentro do ambiente em volta do navio. Logo, o navio por suas características estruturais(foi projetado para flutuar sobre a água), vai “subir” de acordo com o nível da água também. Isto até atingir certo nível do lado de fora que, ao abrir as comportas, não prejudique a estabilidade.

    Nós, brasileiros, temos diques assim! Sim, caro leitor! Como por exemplo Rio Grande,no estado do Rio Grande do Sul (daí o nome).

    No início deste ano, 2013, um grupo de alunos do 2º e 3º anos que puderam participar do Aspirantex, passaram pelo Estaleiro, tirando fotos e ganhando conhecimentos.

    Frequentemente entra em processos de reforma para melhoria das instalações e estruturas. É um bom representante do nosso país atuando diretamente em nossa área Mercante.

    Comentários

    Outras matérias interessantes...

    “Construção da P-55 envolveu rebocadores e números grandiosos.
    Uma megaoperação finalizada com êxito pelos gaúchos foi o que marcou o primeiro trabalho de inundação e escoamento do dique do Estaleiro Rio Grande.
    O procedimento aconteceu durante o […]

    Plataforma Gaúcha2 de outubro de 2013
    Susto na P-5822 de setembro de 2013
    Docagem20 de agosto de 2013